top of page

EPISÓDIO NR 39 - O JOVEM GENERAL – reações políticas

Atualizado: 3 de dez. de 2023


Sede da Eclésia, plenário da Bulé. Um deputado discursa: “Como pode três autoridades, sendo uma delas um ministro do Areópago, ser sequestradas por bandidos e, até agora, nada! Eles vêm aqui, nas nossas barbas, levam autoridades, fica todo mundo chocado, se faz um monte de reuniões no governo, e nenhuma providência é tomada! (...)”. O discurso demora uns quarenta minutos. Depois, o deputado Armando Jordão, sobe à Bema e discursa: “Sim, como falou o nobre deputado Alípio Pedralha, vieram aqui nas “barbas de todos” e levaram reféns. Agora são reféns, antes o povo é quem era refém! Não estou aprovando ações de violência, mas, também, jamais aprovei as ações de violência diuturna do ministro Todo Poderoso contra inocentes e desafetos dele. Agora, o bandido é quem, afinal? Até porque desrespeitar a Constituição não é mais crime? Se comete crime com a cara mais “lavada” nos diferentes postos do governo e só vejo a Eclésia “baixar a cabeça”. Afinal, os políticos, os representantes do povo, são coniventes com o crime ou agem para defender o povo contra os criminosos? (...)”. Próximo do da Eclésia, no prédio do Areópago. Os ministros heliastas se reúnem numa sessão extraordinária do Bema Pleno. Os onze ministros heliastas, agora somente dez (menos o Todo Poderoso), discutem a situação do sequestro do Todo Poderoso. Há no ambiente uma falsa coragem e, até, valentia de um ou outro, porém, a verdade é que todos estão apavorados. Colecionadores de benesses pessoais e coletivas, pois o Areópago é um universo de mordomias. Alguns, tão preocupados com as suas fortunas em “paraísos fiscais”, já nem dormem mais e vivem à base de “Rivotril” para tentar se acalmar. Imaginando uma Alta Corte da Justiça, se esperaria, sim, uma atitude rigorosa dessas autoridades, mas não, cada um está, na realidade, preocupado com o próprio “umbigo”. Ele ou ela pode ser o próximo. Pensar em perder tudo é apavorante, torturante, a morte para alguns. A imprensa em todo o país não noticia outra coisa a não ser a situação dos sequestros. Especialistas fazem os mais diversos comentários e analisam ponto a ponto tudo o que foi dito pelo General, numa tentativa quase vã em decifrar o futuro próximo. Alguns repórteres andam pelas ruas de Santa Maria à cata de notícias exclusivas e inéditas, mesmo proibidos de fazer imagens televisivas. Nos mais diversos lugares, o povo comenta a situação. Há uma curiosidade em saber mais, há uma “torcida” imensa para que o General tenha sucesso. Orações e reuniões se multiplicam. A Direita se organiza, se reúne. Se formam novas lideranças. O General criou uma comissão somente para organizar e se comunicar com as organizações de Direita que apoiam o Movimento de Resistência Patriótica. De Norte ao Sul, de Leste a Oeste de Santa Cruz, hoje, se fala e se discute sobre política e soluções para o país. O governo nunca teve uma reação contrária tão forte como agora. A tal ponto que o presidente não consegue sair às ruas e nem fazer qualquer visitação pública, pois certamente será ofendido pela população descontente. Ele somente despacha do seu Gabinete e faz incontáveis viagens para o exterior, pregando ao mundo um falso controle da situação, porém, com uma governabilidade cada vez mais enfraquecida. Ele não consegue apoio no Congresso e vem, repetidamente, perdendo votação nas pautas do governo. Ele só ganha alguma votação a peso de muito dinheiro das “emendas parlamentares” o qual distribui a quem o apoia. A sua esposa gasta fortunas de recursos do governo, tanto nas viagens cheias de mordomia e em hotéis de luxo, quanto comprando móveis caríssimos para a sua residência oficial, enquanto boa parte do povo quase morre de fome. Mas, os correlegionários da Esquerda, tanto em funções nos Ministérios, quando nos órgãos públicos, como Universidades, são unidos e ferrenhos na luta contra a Direita. A ideologia de Esquerda, o “Gramscismo” e a Nova Ordem Mundial cegam até os mais inteligentes e cultos. Esse é o quadro caótico do país, onde poucos comandam, tiranicamente, um povo com o dom da alegria e da paz. Virtudes e qualidades tradicionais, agora retiradas, com violência moral e intimidatória, a cada dia. Esse é o regime de Esquerda que o General combate.

Elias Do Brasil


GOSTOU? Então contribua para o autor publicar essa novela em livro.

PIX: essim10@hotmail.com

5 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page