top of page

EPISÓDIO 4: O JOVEM GENERAL – o telefonema

Atualizado: 3 de dez. de 2023



A tarde chega rápida nos Pampas gaúchos. O clima subtropical provoca uma brisa fria vinda do Sul. O General observa a vegetação ao longo do terreno que se perde no horizonte. Gramíneas, plantas rasteiras, arbustos e árvores de pequeno porte formam o “quadro de pintura” natural à sua frente. O telefone toca. É o comandante da Divisão de Exército, seu superior imediato. “O que está acontecendo, General?! Você colocou a sua Brigada em “marcha para o combate”? Eu não autorizei nada disso! Que m... é essa?!”. O General enfrenta a situação, que já aguardava. “Sim, comandante. Estamos em situação de combate real”. Sua voz calma e firme surpreende o seu interlocutor. “Você está preso! Vou pedir a sua exoneração do cargo e mandarei um substituto agora para assumir a sua Brigada!”. O General respira fundo e diz: “Quem será preso é o oficial que mandar me substituir. Estamos em combate, comandante. Ou estão conosco ou estão contra nós!”. E desliga o telefone. Do outro lado, o comandante vocifera. Tenta ligar outra vez, mas o sinal caiu. Logo ele, o mais admirado general da sua Divisão. Justo ele, filho do melhor amigo do seu pai. Um oficial de elite, com cursos militares de Paraquedismo, Guerra na Selva, Comandos e Forças Especiais, respeitado por superiores e subordinados, um expoente entre os generais de Brigada de todo o Exército e com a promoção a general de Divisão certa! “Que loucura!” - fala para si. O General se aproxima da barraca do seu Estado-Maior. Lá dentro, seus oficiais finalizam os últimos detalhes do planejamento estratégico do desdobramento da Brigada caso haja necessidade. O restante da Brigada, vinda de Missões, está em deslocamento pela SC- 290. Chegarão pela madrugada. São aproximadamente 140 km até onde estão. “General, temos combustível e alimentação para 72 horas. São aproximadamente 4.500 homens e centenas de viaturas, incluindo os carros de combate. Depois disso precisaremos repor os estoques” – informa o coronel Chefe do Estado-Maior. Um cabo mensageiro chega com a notícia de que um canal de televisão deseja entrevistar o General. Estão na estrada aguardando e fazendo imagens da tropa. Os oficiais olham para o General. “Hoje não. Talvez, amanhã” – responde. Na Vila Militar, as mulheres de oficiais, subtenentes e sargentos se reúnem na casa de Dona Denise, esposa do general. Ela convocou uma reunião. Depois de ler para todas a carta que o seu marido deixou, ela diz: “Agora é a nossa vez de atuar e proteger nossos filhos e filhas. Nossos maridos estão fazendo o que é certo. Nada de desespero. Vamos nos unir com o mesmo propósito deles: proteger a nossa Pátria! Vamos fazer um controle de entrada e saída da Vila Militar, de acordo com a sugestão do major gestor da Vila, aqui presente. Quem souber atirar fique com a arma ao alcance de usar. Deixe em local protegido das crianças. Agora, rezemos a Deus”. Em toda a região, a população comenta, discute, toma partido ou não. Os programas de notícias da televisão analisam a situação, passando imagens colhidas no acampamento à beira da SC- 290. O assunto chega à capital do país, Porto Seguro. “Prenda esse general! Se preciso, desloque tropas para o local onde se desdobram as unidades da Brigada dele e impeça qualquer reação!”- o Comandante Militar do Sul, de forma áspera, dá ordens ao Comandante da Divisão de Exército, em Santa Maria/RS. Há pouco tempo ele recebeu ligação de Porto Seguro cobrando solução urgente para a situação. Em Santa Maria, todas as Unidades da Divisão entraram em “prontidão”, inclusive a Base Aérea de Santa Maria, pertencente à Aeronáutica. Ninguém sai dos quartéis. A notícia já povoa todas as unidades das Forças Armadas em Sacramento, desde a serra gaúcha às fronteiras com outros países. Os principais canais de televisão do país deslocam pessoal e material para a região. O CHEM se aproxima do General e oferece o seu telefone. “General, o seu amigo Deputado Federal deseja lhe falar”. O general olha para o fiel amigo e diz: “Não, não quero falar com ninguém.”

Elias Do Brasil

0 visualização0 comentário

Σχόλια


bottom of page