top of page

EPISÓDIO 23 - O JOVEM GENERAL – tomada de Santa Maria (2)

Atualizado: 3 de dez. de 2023


Logo cedo, todos os canais de televisão do país já estão no ar com reportagens sobre a tomada de Santa Maria por “tropas do Comboio”. Imagens do Comboio entrando na cidade já circulam na Internet. A notícia da destruição do Posto da Polícia Rodoviária com um tiro de canhão “chocou” as mídias “lacradoras” e fez “vibrar” os defensores da Direita. Já se fala em “revolução” no Sul. O governador de Sacramento tenta falar com o prefeito de Santa Maria, pessoalmente. A operação do Comboio foi um sucesso, sem reação nem de populares, nem da Polícia Civil ou da Brigada Militar. A Brigada Militar ajudou no trânsito juntamente com os soldados da Polícia do Exército. Logo cedo o general Cleber se encontrou com o coronel comandante da Base Aérea: “General Cleber, invadiram a Torre de Controle e estão com os meus operadores de tráfego aéreo presos!”. O general Cleber, calmamente, diz: “Comandante, nós assumimos o controle da cidade e o aeroporto faz parte da cidade. Nós não invadimos nenhuma área da Aeronáutica. E não faríamos jamais isso”. O comandante da Base Aérea retruca: “Poderiam ter me avisado! Uma ação truculenta e desnecessária. Me desculpe a sinceridade, general”. O general responde: “Já dei ordem para liberar os seus homens. Você pode continuar utilizando a Torre de Controle e as demais instalações do aeroporto de Santa Maria. Nada mudou, apenas o controle do aeroporto é nosso a partir de hoje. Os trabalhos na Torre de Controle serão compartilhados com os seus operadores e o nosso pessoal de comunicações”. O comandante se aquieta: “Tudo bem, general Cleber. Mas, tenho que informar meus superiores”. O general responde: “Ótimo! Faça isso. E saiba que ainda aguardo a sua resposta se a Base Aérea irá se juntar a nós ou não”. O general Cleber se levanta, aperta a mão do coronel e sai da sala. A poucos quilômetros dali, o General recebe o prefeito de Santa Maria. Ele está nas instalações do Comando da Brigada de Infantaria Blindada, a “Brigada Niderauer”, na avenida Borges de Medeiros. Há poucos minutos, mandou o CHEM providenciar a soltura do general da Divisão e escoltá-lo até a Vila Militar para fazer as malas e depois até a saída da cidade, junto com a sua família. Com o General estão na sala de reunião o gaúcho Domingos, mais representantes do Sindicato Rural de Rio Grande de São Pedro, da FARSUL (Federação de Agricultura/SA), Sindicato da Indústria de Arroz/SA e Sindicato Rural de Sambaqui, além de um representante sulista da Federação de Bancos (Feban). O prefeito é um gaúcho de família da região de Santa Maria, político experiente, que iniciou como vereador na cidade, depois deputado estadual e, agora, no mandato de prefeito de Santa Maria. Ao entrar na sala de reuniões, o semblante aborrecido por ter vindo “quase” que obrigado à reunião, se transforma em surpresa. O General vem ao seu encontro e o cumprimenta. Em seguida, fala: “Prefeito, acho que os senhores aqui presentes, meus convidados, dispensam a apresentação por serem seus conhecidos”. O prefeito sorri e cumprimenta cada um e, em particular, o gaúcho Domingos, amigo do seu pai e da sua família, de longa data. Em seguida conversam amenidades por alguns minutos. Também, se inicia uma “roda de mate”. O General toma a palavra: “Prefeito, como bom gaúcho e seguindo a tradição da minha família e, creio, de todos aqui, nada com um bom chimarrão para reunir homens de bem. E aqui estamos, numa situação especialíssima e, entendo, inusitada. Afinal, houve uma “invasão” em sua cidade”. O prefeito faz o mate “roncar”, passa a cuia ao Domingos e comenta: “Sim, eu me sinto muito preocupado com tudo o que está ocorrendo. Aliás, General, não estou gostando de nada do que está acontecendo em Santa Maria nesse momento”. O gaúcho Domingos interfere: “Meu amigo e filho do meu melhor amigo. Não foi a “guerra” que nos trouxe aqui, foi a política. Foi a vontade política de mudar um quadro de “caos” que se espalha pelo país, em função do desgoverno e da arbitrariedade diuturna que o povo sofre. O General não nos convidou para vir aqui para “prender” ninguém. Ele, como nós, os representantes da economia gaúcha, principalmente do “Agronegócio”, queremos aliados para a nossa causa. Ou você acha que as revoluções da nossa história começaram como? Alguns homens de bem se reuniram e resolveram dar um “basta”. Por incrível que possa parecer, mas foi mais ou menos assim. Não estamos tirando uma oportunidade política de você, ao contrário, estamos lhe oferecendo a oportunidade de, se unindo a nós, se tornar o próximo governador de Sacramento com o apoio do “Agro” gaúcho. Apoio em prestígio e com muito dinheiro”. O General observa a habilidade do seu amigo gaúcho e se mantém atento. O Prefeito, como a maioria dos políticos agiriam, ouve as palavras e dá um “salto imaginário no futuro”. Mas, sem demonstrar interesse, comenta: “Meu amigo Domingos, prezados empresários que eu respeito, senhor General. Eu ainda estou muito surpreso com o que está acontecendo e com a “velocidade” que os fatos saltam à minha frente. Peço que me deem um tempo para consultar as minhas “bases políticas”. O General se manifesta: “Prezado senhor Prefeito. Nós entendemos e suplicamos a Deus que o ilumine para que o tenhamos do nosso lado. Às medidas administrativas do que se segue, eu peço que coloque alguém da sua confiança para entrar em contato com o general Cleber, o atual “interventor” de Santa Maria pelos próximos 30 dias”. O prefeito faz uma “cara de espanto”.

Elias Do Brasil

14 visualizações2 comentários

2 Comments


marcosvfabbri
Sep 05, 2023

O entusiasmo nos invade. Parabéns Elias!


Like

Jeffer Bedram
Jeffer Bedram
Sep 04, 2023

Esse Jovem General bem que pderia ser da nossa turma, precisamos nos alimentar de fé e perseverança. "Brasil cima de tudo."

Like
bottom of page